PERGUNTAR NÃO OFENDE: como ficou o caso da agressão do prefeito de Sousa Fábio Tyrone contra ex-namorada Myriam Gadelha

Essa é mais uma da série perguntar não ofende. A quantas andam o processo contra o prefeito de Sousa, Fábio Tyrone (PSB), por agredir a ex-namorada Myriam Gadelha, em dezembro do ano passado?

À época a denúncia foi feita pela própria vítima em uma postagem nas redes sociais. A mulher pediu uma medida protetiva teria sido requerida pela própria Myrian e que foi acatada no mesmo dia.

No texto a vítima relatava que a primeira agressão aconteceu durante uma viagem a São Paulo, quando o prefeito teria a empurrado e a agarrado pelo pescoço. Porém, o fato mais grave aconteceu no dia 06 de dezembro de 2018, quando o acusado teria iniciado uma sequência de agressões contra Myriam após uma festa. O prefeito teria dado tapas, socos e chutes na ex-namorada por ela estar bebendo em uma festa.

Diante dos fatos narrados na ação, o desembargador Ricardo Vital de Almeida decidiu conceder a medida protetiva, impedindo que Fábio Tyrone mantenha distância inferior a 300 metros da ex-namorada, que também se afaste da casa dela e o proibiu de qualquer tipo de contato físico, telefone, e-mails, bilhetes, aplicativos de mensagens, redes sociais, dentre outros.

Prefeito de Sousa, Fábio Tyrone (Foto: Reprodução)

Após o episódio relatado  a advogada e o prefeito de Sousa romperam o relacionamento e ela registrou as agressões com a Polícia Civil. A ex-namorada do prefeito relatou à Justiça que não pediu a medida protetiva naquele momento pelo fato dele ter voltado para Sousa. No entanto, mudou de ideia após ter recebido ameaças de parentes do político.

De acordo com a decisão do desembargador Ricardo Vital, além das evidências físicas, fotos dos hematomas das agressões sofridas, o fato da vítima estar sofrendo violência psicológica cometida pelo prefeito por meio de mensagens de celular.

Advogada ficou com hematomas no rosto após agressões — Foto: Arquivo Pessoal

Advogada ficou com hematomas no rosto após agressões — Foto: Arquivo Pessoal

“É clarividente, portanto, a crueldade perpetrada contra a requerente, de modo que,nos termos do art.22 da lei nº 11.340/06, necessário se faz adotar medidas que obriguem o agressor e protejam a vítima”, afirmou o magistrado em sua decisão.

Para o desembargador Ricardo Vital, o político demonstrou conduta recorrente e personalidade voltada para a prática de violência contra a mulher. Ainda de acordo com a Justiça, Fábio Tyrone responde a um outro processo por violência contra uma outra ex-mulher. O caso tramita na Justiça do Ceará.

Afinal, a quantas andam o episódio? Será lembrado na campanha para reeleição em 2020?

Perguntar não ofende

 

 

Next Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Henrique Lima

É graduado em Comunicação Social e Licenciatura em História pela UFPB e Bacharel em Direito pela Faculdade Maurício de Nassau. Amante dos bastidores da política, há sete anos atua como repórter do programa Correio Debate, na rede Correio Sat.